segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Amor amor



Pediram-me para falar de amor. Em verdade, não foi bem assim. Foi um questionamento quase desafiador: " e qual amor não é lindo?"
A resposta não poderia ser simples, mesmo porquê a pergunta não o é.
Ora, ora, o amor. Algo que não deveria se consumir jamais, o amor que arde, algo não tecnológico e infinitamente atual, intocável e tão perto, o amor que constrói, destrói e reconstrói, que cai e levanta, derrota e vangloria, onipresente, uníssono em vários tons. O amor que vira samba-canção, música de Sex Pistols, forró, vira eletrônica, funk, fado, bossa nova, vira e revira carnaval. Vagabundo e nobre, nobilíssimo. Vê-se na janela da alma facinho facinho quem ama.
O amor não é nada fácil, não facilita. Dificulta, eninha, dá um nó. Segue largo, afunila, cai como cachoeira e volta a ser largo para seguir plácido até a próxima esquina quando mais uma vez surgirão pedras. Não se comporta, não passa vergonha, liga no dia seguinte.
Não se compra, não é importado, não é Ferrari, não é Cristal, não se lê, não se decifra e te devora.
O amor é calmo, tranqüilo, tem sono, preguiça... dá medo, friozinho na barriga, dá segurança, entedia e volta a agitar.
Deixa história pra contar, filhos pra criar, pais para amar e mais uma vez reinicia. O amor é como a vida, é pela vida e o é para a vida, por toda vida.
O amor é mais ou menos isso e não tem coerência ou mesmo resposta simples.
" Que não seja imortal posto que é chama. Mas que seja infinito enquanto dure"

Escrito em 24/01/2009

RESUMÃO( por Adonay):

Pediram para ela falar de amor, e ela falou de um monte de coisas menos de amor. Conclui o texto com "o amor é mais ou menos isso", isso o que?

Adonay.

3 comentários:

Adonay disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
sienna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Milena Matias disse...

Amiga, tenho que confessar: Estou adorando o resumão..kkk..Uma comédia essa família. Beijos, Mi